Segunda-feira, 10 de Setembro de 2007

"Ouso dizer que me conheço bem"




Tiago Nené é um poeta que está prestes a lançar o primeiro livro. 

Descubra a obra de Tiago Nené na entrevista concedida gentilmente pelo próprio.


Como surgiu o gosto pela poesia?

O gosto pela poesia surgiu na adolescência. Não tive uma adolescência fácil, tinha uma vida interior muito grande. Nessa altura como que ainda não me tinha encontrado. Como diz um dos meus poemas "estava para o mundo como o mundo para o universo". Incompreendido,
pelas ideias e pela maneira de estar, ia tentando várias personalidades até achar uma que me coubesse. E apesar de terem sido tempos difíceis e de insatisfação, cresci imenso e finalmentre pude conhecer-me. Ouso dizer que me conheço bem. Durante esses tempos experimentei aquilo que eu considero ser "diálogos comigo mesmo", a poesia, claro está. Tinha uma escrita tipicamente adolescente. Com o tempo fui conhecendo grandes autores da literatura mundial, que me fizeram refinar o estilo.


Porque decidiste escrever um livro?
Eu escrevo há muitos anos e pareceu-me ser a altura ideal para o fazer. Talvez se fosse há dois anos atrás não o fizesse. Hoje em dia é diferente. Hoje em dia sou um grande leitor de poesia, hoje em dia sou um compulsivo "descobridor" de novos autores. É um prazer entrar na cabeça de um poeta e andar com ele para todo o lado. Um bom escritor tem que ser um enorme leitor. Um escritor é escritor, passe a redundância, quando não tem medo das suas
ideias, quando não se esconde atrás das palavras difíceis. Considero que tive grandes mestres e a minha poesia é mais directa do que o costume. 

Porquê o nome de "Versos Nus"?
O nu tem múltiplos significados. Escolhi o título porque muitas pessoas, mesmo algumas que me são próximas, desconheciam totalmente que escrevia. Quando estes forem ler este livro, estas ideias, estes pensamentos e emoções, é como se sentisse que me estão a despir. Considero que o título não poderia ser mais adequado.

Já tive acesso à capa do livro e deixa-me dizer-te que não é fácil encontrar uma capa tão apelativa. Como decorreu esse processo?
A imagem da capa chama-se "Inner Dynamics" e é de uma grande fotógrafa portuguesa chamada Paula Rosa. Desde sempre fui um apaixonado por fotografia e as imagens da Paula sempre tiveram um enorme significado para mim. Quando soube que iria sair o livro pude contactá-la, dar-lhe a conhecer o projecto, os poemas. Dias depois recebi o que considero ser uma "carta de amor" da Paula, dizendo-me que seria uma enorme honra participar no livro. Convém dizer que a Paula cedeu a imagem gratuitamente.

Baseias-te em alguém nas tuas obras?
Claro. "No man is an island".

Em quem?

Tenho grandes influências na poesia. No panorama nacional, Álvaro de Campos. No estrangeiro as minhas preferências são variadas.
Se tivesse de citar dois, e por serem os mais recentes, diria Uberto Stabile e Charles Bukowski.

Hoje em dia a minha escrita tem muitas imagens. Gosto que o leitor visualize coisas. Gosto de palavras sugestivas que o levem para lugares e para cenas. Uberto Stabile "deu-me" algum do seu surrealismo. Agrada-me ter de distorcer a realidade para passar uma mensagem. Esta característica surge muito num certo tipo de cinema. Lars Von Trier e Tim Burton são influências. Gosto de ir buscar ideias a outras artes e adaptá-las à poesia. Para mim a arte não pode ter limites.


Foi fácil arranjar alguém que te ajudasse a lançar o livro?

Lançar poesia não é, de todo, fácil. Eu considero que tenho um estilo diferente e, como disse, muito influenciado por aquilo que se faz lá fora. Isso pode ser uma vantagem, mas muitas vezes é uma desvantagem. Há muito conservadorismo em Portugal e somos muito avessos à mudança. O próprio Fernando Pessoa teve muitos problemas para publicar. Quanto a mim, tive a sorte de a Magna Editora estar atenta ao que escrevo por essa internet fora e me ter feito uma proposta de edição.


Quais as maiores dificuldades por que passaste para conseguires concluir a obra?
No caso de uma obra de poesia, a dificuldade é escolher o alinhamento dos poemas. É algo mais difícil do que parece, pois é fundamental encontrar um equlíbrio de temas e de estilo.

Quais os objectivos com a publicação do livro?
O principal objectivo é lançar um livro que as pessoas gostem. Não pretendo ser consensual, pois isso em literatura é das piores coisas que existe. Mas quero chegar a algumas pessoas, fazendo com que transportem este livro consigo, porque de alguma forma poderá ser "útil".

Como defines o teu público-alvo?
Grandes amantes de poesia, como eu. Nomeadamente a poesia de ideias, aquela que prefiro. Só essa poesia me causa verdadeiramente emoções.
Enquanto escritor de poesia sou um observador. Busco sempre encontrar as melhores ideias, dentro da linguagem mais simples.
Um bom verso é aquele que o leitor ao ler diz "é isto mesmo! como é que não pensei nisto antes?". Sem dúvida os versos mais difíceis de acontecer.
Mas eu não me demito nunca do meu papel. Ser ambicioso faz parte da minha personalidade.


De que forma é feita a "publicidade" ao livro?

Vai haver duas sessões de apresentação. Uma em Lisboa, dia 29 de Setembro pelas 16:00, no Magnolia Caffé (Praça de Londres), dos melhores sítios da capital quanto a mim e haverá outra no Algarve, na Fnac do Algarve Shopping, que ainda não tem data.
De resto, haverá outras formas de promoção (jornais, revistas, etc..) Também tive um convite de uma estação de televisão, mas ainda não posso falar sobre isso (risos).


O livro estará à venda em todo o país ou somente no sul de Portugal?

O livro estará à venda em várias livrarias em todo o país. No site da Magna Editora está uma lista com as livrarias onde o livro estará à venda. Também várias livrarias online venderão o livro, o que até é mais cómodo, entre as quais, e passe a publicidade, a Fnac. Deste modo, até do estrangeiro dá para adquiri-lo.


Já tens projectos futuros em mente?

Tenho vários projectos em mente, mas primeiro quero consolidar a minha posição enquanto escritor de poesia. Recebi um convite interessante para integrar um projecto educativo nos Palops (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), através de uma ONG. E porque é importante sensibilizar para a importância dos livros, quero, claro, dar a minha contribuição.
No futuro talvez escreva teatro. É algo que me atrai.


 


COCKTAIL BUKOWSKI


Naquele dia
Vestira o meu corpo
Sem a alma,
Vestira o meu corpo
Sem a alegria,
Lavei os dentes
E esqueci-me do sorriso no lavatório,
Lavei as mãos
E deixei o tacto na toalha;
Nesse dia
Após o trabalho fui dormir,
Deitei o corpo
E reecontrei a alma.
No dia seguinte
Vesti a alma
E deixei metade do corpo esquecido
E a memória no secador de cabelo...
E algo inesquecível de que não me lembro aconteceu:
Porque hoje tenho a alma mutilada
E nem o corpo tenho.


FIM

 

 




 

Sites a consultar:

Magna Editora - www.magna-editora.com
Tiago Nené - www.tiagonene.pt.vu

Álvaro Gonçalves

 


publicado por Álvaro Gonçalves às 18:06
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Luis Filipe a 10 de Setembro de 2007 às 19:01
Excelente entrevista a um escritor que promete.
De amordemadrugada a 19 de Setembro de 2007 às 21:46
Tambem acho!
De Naeno a 23 de Setembro de 2007 às 20:23
Meu irmão, gostaria muito de ir ao lançamento do teu libro. Mas sabes da distância qeu nos separa. Mas no dia em que eu for aí farei questão de te localizar e adquirir o livro.

Um abraço
Naeno

Comentar post

.O autor do blog

Locations of visitors to this page

.Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Novo endereço

. Júlio Magalhães apresenta...

. Maré volta a Bazar durant...

. FC Porto goleou o Benfica

. H.C.Fão com nova direcção

.arquivos

blogs SAPO

.subscrever feeds